Associação Europeia de promoção dos Quadriciclos

Os veículos

O sucesso dos quadriciclos foi imediato na França, o que explica a predominância dos construtores franceses nesta indústria, que agora se dirige ao mercado dos 28 membros da União europeia. Hoje em dia, o quadriciclo não têm muito a ver com os primeiros veículos cruzados pelas estradas da França há 30 anos: com uma homologação europeia e um conjunto obrigatório de novos dispositivos de segurança, são veículos confortáveis, seguros e confiáveis, permanecendo contudo facilmente acessíveis e idiais para a maioria dos usuários. No plano administrativo, existem duas categorias de quadriciclos :

Os quadriciclos ligeiros

 

Os quadriciclos ligeiros constituem a maior parte do mercado.
 
Os fabricantes implementaram soluções técnicas e jurídicas para prevenir a manipulação dos motores e o aumento do rendimento. Os motores utilizados (bicilindros diesel com injecção mecânica) fazem de qualquer maneira as intervenções fora do alcance dos usuários. Em Portugal, os quadriciclos estão sujeitos às mesmas restrições de tráfego que os ciclomotores e não podem circular, por exemplo, nas auto-estradas e nas vias rápidas.

 

A Directiva 2002/24/CE define quadriciclo ligeiro como segue :

 

  • Massa sem carga não exceda 350 kg (categoria L6e), excluída a massa das baterias no veículo elétrico;

  • Velocidade máxima, em patamar e por construção, não superior a 45km/h;

  • Potencia máxima de 4 kW;

  • Motor diesel ou eléctrico.

 

O quadriciclo ligeiro tem muitos argumentos para se estabelecer como o carro urbano :

  • Tamanho pequeno que facilita o estacionamento e as pequenas entregas;

  • Consumo de combustivel limitado : 3 litros aos 100 km;

  • Redução da poluição que deveria seduzir todas as populações ecologicamente sensíveis, mas também os habitantes das grandes cidades cujo trânsito pode ser limitado em caso de poluição excessiva;

  • Velocidade adequada à circulação em meio urbano : 45 km/h.

Os quadriciclos pesados

 

Os quadriciclos pesados, menos comuns, cujo poder é limitado a 15 kW, necessitam de uma carta de condução para o uso (mínimo a carta de condução B1). São principalmente pequenos veículos utilitários utilizados pelas autoridades públicas ou veículos elétricos, cuja potência permite uma utilização optimizada numa área urbana estendida. ​

Carta de condução AM

Desde a entrada em vigor da Directiva 2006/126/CE relativa à carta de condução no 19 de janeiro de 2013, os quadriciclos ligeiros estão sujeitos à obtenção da carta de condução AM.
 

Idade mínima de acesso

16 anos

 

Formação teórica

Formação teórica básica de 8 horas

 

Exame teórico

20 perguntas sobre as especificidades da categoria AM. Duração: 25 minutos. Para ter êxito, é necessário consiguir 17 respostas de 20.

  • Princípios gerais de trânsito e de segurança rodoviária;

  • Equipamentos de segurança dos veículos;

  • O condutor;

  • Condições em trânsito.

Para os candidatos que não são capazes de ler ou escrever, é possível ter um sistema áuditivo em Português. O exame decorre num sistema multimedia de tipo touch screen.

 

Formação prática

Formação prática básica de 5 horas

 

Exame prático

Condições de circulção em trânsito real em vias urbanas e não-urbanas. Se possível, realizão-se manobras em circuito fechado.

Duração 30 min.

 

Veículo de exame

O exame para a categoria AM é realizado num ciclomotor.

© EQUAL. All rights reserved.